Colaboradores:

BULGARIA

Actualidad

Información general

El español en Bulgaria

Atracciones

Cultura

Contactos con el mundo hispanohablante

Analisis


Imágenes de Bulgaria

Bulgaria em Portuges
"Conheçam à Bulgaria"

Maya Daskalova

A Bulgária encontra-se no Sudeste da Europa, ocupa a parte central da Península Balcânica, tem uma superfície de 111 mil km quadrados e 8 milhões de habitantes. Ao Norte tem fronteira com o rio Danúbio,o maior da Europa,e ao Leste, o Mar Negro. Tem fronteiras com a Macedónia e a Jugoslavia, ao Este, e ao Sul com a Grécia e a Turquia. A Bulgaia é um país pequeno, mas de história milenária. Há mais de 13 séculos ocupa o seu lugar no continente europeu.
O Estado Búlgaro foi fundado pelo Khan Asparukh, em 681, em resultado da aliança político-militar de proto-búlgaros e eslavos. Duzentos anos mais tarde, a Bulgária adotou, oficialmente, o Cristianismo e o alfabeto eslavo, criado pelos Santos Irmãos Cirilo e Metódio.
Durante o Reinado do kzar Simeão, o Grande, século 10, a cultura medieval da Bulgária desenvolveu-se consideravelmente em resultado do incentivo que deu a tradução para o búlgaro dos livros sagrados e da criação de obras literárias originais, utilizando-se o novo alfabeto, o cirílico.
Constantino, o fundador da Escola literária de Preslav, capital búlgara daquela época, foi autor das primeiras obras de poesia laica da literatura eslava.
Depois deste "Século de ouro" da cultura búlgara, veio um período em que o estado decaiu e o vizinho Império Bizantino aproveitou a oportunidade para dominar o país por um período de l70 anos.
Nos séculos 12 e 13 foi a Dinastia dos Assenidas que restableceu o estado búlgaro. O kzar Kaloyan, um dos três irmãos Assenidas, foi, durante vários anos, um verdadeiro pesadelo para a Europa dos cruzados, por derrotar, em 1204, na histórica batalha de Adrianópolis, os altivos cavaleiros da Quarta Cruzada.
No início do século 14, no palco político europeu, apareceu uma nova força - os turcos osmanlís, que invadiram à Península Balcânica. Durante meio século, a Bulgária tentava conservar a sua independência. Não obstante, em 1396 os turcos conquistaram definitivamente o país. Deste modo, o estado búlgaro, desapareceu do mapa da Europa por 5 séculos.
A resistência dos búlgaros tornou-se sério obstáculo para os turcos e eles foram obrigados a interromper sua marcha rumo à Europa Central e Ocidental. Assim a Bulgária deu sua contribuição para a salvação da civilização do Velho Continente.
Os anos de escravidão otomana foram também anos de luta pela libertação nacional. Destacou-se, em particupar, o Levantamento de Abril de l876, massacrado pelos turcos. Este fato provocou a conciência da Europa, em resultado do qual, ela colocou, na ordem do dia, "A Questão Búlgara".
Em l877, o Imperador russo Alexandre II declarou guerra à Turquia. Depois de duros e sangrentos combates entre o exército turco e as tropas russas, ajudadas pelos voluntários búlgaros, chegou-se à libertação da Bulgária.
No dia 3 de Março de l878, na pequena cidade de San Estêvão, na Costa do Mar de Mármara, firmou-se a paz com a qual o Estado Búlgaro reapareceu no mapa político da Europa.
Éis porque o dia 3 de Março permanece no calendário histórico da Bulgária como o Dia da Libertação e é Data Nacional do país.
A criação da nova Bulgária, desencadeou o potencial do seu povo e ele, pouco depois de libertar-se, registrou avances consideráveis.
Às vesperas da II Guerra mundial a Bulgária era o país, economicamente mais desenvolvido nos Balcãs.
1944 foi um ano crucial para a história búlgara. Estabeleceu-se no país o regime totalitário comunista, cuja política isolou à Bulgária e impôs um modo de viver "estéril" que não respeitava os direitos democráticos dos cidadãos. À população garantia-se uma existência, relativamente satisfatória, mas a custa de enormes empréstimos dos bancos internacionais que , agora, tem que ser pagos por várias gerações de búlgaros.
A finais dos anos 80, o vento da mudança varreu os regimes pseudo-humanos do Sudeste da Europa. Depois da queda do Muro de Berlim, em 10 de novembro de 1989, foi derrubado o líder comunista Todor Jivkov e o país empreendeu o caminho rumo à democracia. Efetuaram-se profundas mudanças tanto nas estruturas estatais e na economia, como também na própria maneira de pensar das pessoas.
É verdade que a Bulgária não tem as indústrias de Krupp e de Esneider, nem as minas de Manchester e Ruhr, mas sim, tem marcado a sua presença no património intelectual mundial. Os intelectuais búlgaros - sejam pintores, poetas, músicos ou cientistas, destacam-se pela importância das suas obras.
O poeta Hristo Botev é um dos grandes búlgaros que, aos 28 anos, caiu em combate contra os turcos pela liberdade do seu povo. Em La Sorbonne podemos ler, em letras de ouro, a sua famosa estrofa que diz:

"A noite cai, nasce a lúa,
estrelas cobrem o firmamento,
sussurra o bosque, sopra o vento,
a velha serra sua gesta canta."

Mencionaremos apenas alguns búlgaros de fama mundial, entre os quais destacam-se John Atanassov, o pai do computador; o engenheiro Lazarov, cujo manual os seus colegas aeronáuticos continuam a ler. Em todo o mundo fazem-se operações, segundo o método do catedrático búlgaro Krastio Stanichev, método chamado "o cravo de ouro". São búlgaros os autores de muitas outras descobertas científicas, tais como o Nivalina, eficaz remédio contra a poliomeolite ou o método de fundição sob pressão, do académico Balevski. A Bulgária é o décimo oitavo país do mundo participante nas investigações espaciais, com aparelhagem científica original e com dois cosmonautas – Gueorgui Ivanov e Alexandar Alexandrov – e ainda com alimentos e com a primeira estufa a produzir no Espaço. Nela foram feitas duas culturas de trigo e várias de hortaliças.
A Bulgária é um destino cada vez mais popular para turistas da Europa Ocidental, Central e de Leste, mas também de países como o Japão, os Estados Unidos e o Canadá, devido a novas construções, que oferecem todo o conforto, à renovação dos velhos hotéis, aos preços em conta e a uma melhor publicidade.
Para os que gostam de antiguidades o país propõe encontros com monumentos ímpares. Alguns deles, como o Túmulo de Kazanlâk; a Igreja medieval de Boiana, em Sófia, com os seus murais de antes do Renascimento; o Ginete de Mádara, proto-búlgaro, esculpido nas rochas das imediações de Pliska, que foi a primeira capital búlgara; o Mosteiro de Rila, que é o maior do país e foi fundado na Idade Média; ou ainda a cidade antiga de Nessébar e outros locais incluídos pela UNESCO na lista do património mundial.
O que é que há que visitar mais de passar pela capital Sófia, por exemplo? A Sé Patriarcal de Santo Alexandre Nevski, que dispõe de uma valiosa colecção de ícones, na cripta. O Museu Nacional de História, o Arqueológico ou o Etnográfico ou ainda a Galeria Nacional de Arte, entre outros.
Outros itinerários de interesse para os turistas são os que passam pelas capitais medievais, Pliska, Preslav e Veliko Târnovo, ou ainda visitas a pequenos e grandes mosteiros. A imponente arquitectura popular renascentista, o florescimento dos ofícios e do ensino estão patentes em pequenas cidades como Koprívshtitsa, Elena, Kótel, Bansko e Mélnik. Muitas são as povoações que conservam testemunhos de diversas épocas, como é o caso de Varna, Nessébar, Sozópol e de Plovdiv, que é a segunda maior cidade búlgara. Plovdiv data de há 4 mil anos e tem monumentos dos períodos trácio, romano e bizantino.
Nos últimos anos no país são cada vez mais populares o turismo ecológico e o rural, pois há bastantes retiros tranquilos, no seio de uma natureza estupenda, onde se pode fugir do mundo urbanizado.Ficamos na esperança de que você um dia possa ter a oportunidade de visitá-la.
De um modo geral nos últimos anos o país estabilizou-se e foi-lhe internacionalmente reconhecida a economia de mercado e a democracia pluripartidária. Ligou os seus destinos à NATO e espera-se que em 2007 adira à União Europeia.

HISPANOPERIODISTAS
¿Quiénes somos y qué nos proponemos?

ACTIVIDADES

DECLARACION

El Director del Instituto Cervantes llega hoy y será recibido por el Primer Ministro: 400 MILLONES HABLAN EL IDIOMA DE CERVANTES

Visita de la directora de la revista cubana “Mujeres” Isabel Moya

El Secretario de Estado de Asuntos Europeos de España ante la Asociación de Periodistas Hispanohablantes de Bulgaria (APHB)

Alberto Navarro: No vamos a discutir sobre Irak

ASOCIACION DE PERIODISTAS HISPANOHABLANTES EN BULGARIA (lista de miembros)

Mesa Redonda « America Latina de hoy y Bulgaria », 26.06.2006

Mesa Redonda ¨Los medios de comunicación en la sociedad democrática”,con el patrocinio de la Embajada de España en Bulgaria, BTA, 30.10.2006

XVIII Congreso de la Asociación Mundial de Mujeres Periodistas y Escritoras AMMPE, 25-26 de septiembre de 2008, Santiago de Chile

Respaldamos el Instituto Cervantes en Sofia

CONCURSO PARA PUBLICACIONES PERIODÍSTICAS EN IDIOMA BÚLGARO Y EN IDIOMA ESPAÑOL “MUNDOS Y COLORES”, DE LA ASOCIACIÓN DE PERIODISTAS HISPANOHABLANTES EN BULGARIA - NOTA INFORMATIVA

SEGUNDO CONCURSO PARA PUBLICACIONES PERIODÍSTICAS EN IDIOMA BÚLGARO Y EN IDIOMA ESPAÑOL “MUNDOS Y COLORES” – 2014, DE LA ASOCIACIÓN DE PERIODISTAS HISPANOHABLANTES EN BULGARIA




Colaboradores y Patrocinadores






INVIERTA EN LA NUEVA BULGARIA


Radio Bulgaria



26.7.2017 ã.

Visitor: 1282281